Cáseos Amigdalianos ou Caseum, o que sãoCáseos Amigdalianos ou Caseum, o que são??

Cáseos Amigdalianos ou Caseum, o que são?

 

   A amigdalite ou tonsilite crônica caseosa, também chamada de amigdalite críptica, é relatada como uma sensação de desconforto ou irritação frequente na garganta e se caracteriza pela eliminação de cáseos amigdalianos, isolada ou associada a outros sintomas como a halitose (ou mau hálito), sensação de corpo estranho ou amigdalite de repetição. Tais sintomas podem, ainda, ser acompanhados de hiperemia (vermelhidão) e hipertrofia (aumento) das amígdalas, sem hipertermia (aumento da temperatura), e geralmente desaparecem após a eliminação do cáseo. Esta enfermidade pode ocorrer em qualquer idade, inclusive em indivíduos que nunca tiveram sintomas nas amígdalas.

   O cáseo amigdaliano, também chamado de caseum, tonsilolito ou popularmente, bolinha na garganta, se forma em pequenas cavidades existentes nas amígdalas, denominadas  criptas amigdalianas. O cáseo é uma massa viscosa e seu nome deriva do latim caseum, que significa queijo, assemelhando-se assim a uma pequena “bolinha de queijo” com um odor forte e desagradável.

   Os cáseos amigdalianos podem ser expelidos durante a fala, tosse ou espirros, ou ainda, têm de ser retirados das amígdalas mediante a utilização de instrumentos ou “apertando-se” as amígdalas, podendo gerar ferimentos nestes últimos 02 casos.

Os cáseos amigdalianos são um problema que afetam uma significativa porcentagem da população, sem haver até recentemente um método simples, econômico, seguro e não invasivo de tratamento conservador.

    A presença de cáseos pode favorecer o aparecimento de inúmeras desordens bucais e sistêmicas, como a saburra lingual, a doença periodontal, mau hálito (halitose), amigdalites, entre outras, além de afetar as relações interpessoais (profissão, casamento e vida em sociedade) devido à alteração no hálito que ele provoca.

   Os tratamentos propostos, até o momento, são clínicos, através do uso de antiinflamatórios, de gargarejos com soluções salinas e anti-sépticas, sem resultados satisfatórios, ou cirúrgicos, através de amidalotomias e amigdalectomias convencionais ou conservadoras, utilizando-se o laser que mantêm parte das amígdalas e que consiste na remoção de parte das cavidades (criptas amigdalianas) em uma sucessivas intervenções cirúrgicas.